Cristal.blog.br

Cristal Bittencourt

Categorias deste post:

Compartilhe:

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Publicado em:
10 de novembro de 2014

Jogos Feministas

Ficção científica costuma ser um gênero mais curtido por meninos. Não é esse o caso de Jogos Vorazes. A trilogia tem uma das protagonistas mais fortes do gênero, pelo menos dos anos 80 pra cá: Katniss Everdeen. A jovem tem três objetivos claros – e nenhum deles é arranjar um marido -, sair viva dos Jogos Vorazes, ajudar sua família e libertar os distritos da tirania da capital. Se, no meio disso tudo, ela conseguir descolar um carinha pra chamar de seu, é lucro. Ou não.

Em tempos de Crepúsculo, uma mulher jovem protagonizando um livro de tamanho sucesso não é algo exatamente normal. Mais difícil ainda é ver uma obra como essa chegar aos cinemas com um grande orçamento. Vamos lá, qual foi o último filme de ficção científica que você assistiu e tinha uma protagonista mulher no papel principal? Lá se vão nove anos desde que AEon Flux chegou aos cinemas e desde então pouquíssimas obras do gênero sequer passam no teste Bechdel.

Minority Report, Distrito 9, Exterminador, Watchmen, MIB – Homens de Preto, Aliens 3, X-Men, De volta para o Futuro… E tantos outros (elencados, por exemplo, nesse vídeo) não passam no teste. Isso significa que eles são filmes ruins? Claro que não, só que não passam nesse tal teste. Não sabe o que é teste Bechdel? A gente te explica. Para saber se um filme passa ou não nesse teste, a resposta as três perguntas seguintes tem que ser “sim”:

Há duas ou mais mulheres que tem nomes?

Elas conversam entre si?

Sobre alguma coisa que não seja um homem?

Agora pense no último filme que você assistiu no cinema. Ele passaria nesse teste? Provavelmente não. E quem foi que inventou esse tal de teste Bechdel? Sim, ele foi criado por uma mulher chamada Bechdel, Alison Bechdel. Em 1985, Alison, uma cartunista norte-americana, publicou uma tirinha chamada The Rule (“A regra” em tradução livre), como parte da série Dykes to Watch Out For. Na história, duas mulheres conversam sobre a possibilidade de irem ao cinema, e uma delas diz que tem essa “regra” de só ver um filme quando atende a esses três pré-requisitos básicos. E como filmes assim são bem mais raros do que deveriam, elas concluem que a melhor ideia é ir pra casa fazer pipoca.

Teste-Bechdel.redimensionado

Triste realidade, hein? Mas aí a gente para e pensa que se hoje, em pleno 2013 ainda é assim, em 1985 era pior, em 1965 também, e daí ladeira abaixo. Tente lembrar de algum filme produzido antes da década de 50 que passe no teste Bechdel. E nem precisa ser ficção científica, qualquer filme. Tarefa difícil.

Ladrões de Bicicleta, Casablanca, Cidadão Kane, O Céu pode esperar, Pacto de Sangue, A Felicidade não se compra, Milagre na Rua 34… Todos grandes filmes, nenhum passa no teste Bechdel. Até mesmo filmes clássicos com mulheres protagonistas como Gilda ou Quem tem medo de Virginia Wolf?, não conseguem dizer “sim” a essas três perguntinhas básicas. Já E o Vento Levou é um respiro de alívio ao vermos personagens como Scarlett conversando com muitas personagens femininas do longa sobre o seu futuro e o futuro de Tara, sua terra.

Mas aí a gente para e pensa: se filmes como E O Vento Levou e Jogos Vorazes fazem tanto sucesso (leia-se: dinheiro) dando mais espaço às mulheres. O que leva o cinema (ou melhor seria dizer, o cinema de Hollywood) a continuar apostando em tramas que subjugam o papel da mulher na sociedade? Simples. É mais fácil, e, consequentemente, mais barato. Se filmes que tratam as mulheres como coadjuvantes dos homens fazem sucesso, se a fórmula desses filmes já é tão facilmente replicada, o que faria a indústria mudar? Também simples: o público.

Então daqui a uns dias, quando você estiver no cinema assistindo o terceiro capítulo da saga cinematográfica, lembre que, naquela história, existem coisas muito mais importantes do que torcer por Peeta ou Gale.

________________________

Texto originalmente publicado aqui, escrito por mim para o blog da CDLJ.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Categorias deste post:

Compartilhe:

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Publicado em:
10 de novembro de 2014

Jogos Feministas

Ficção científica costuma ser um gênero mais curtido por meninos. Não é esse o caso de Jogos Vorazes. A trilogia tem uma das protagonistas mais fortes do gênero, pelo menos dos anos 80 pra cá: Katniss Everdeen. A jovem tem três objetivos claros – e nenhum deles é arranjar um marido -, sair viva dos Jogos Vorazes, ajudar sua família e libertar os distritos da tirania da capital. Se, no meio disso tudo, ela conseguir descolar um carinha pra chamar de seu, é lucro. Ou não.

Em tempos de Crepúsculo, uma mulher jovem protagonizando um livro de tamanho sucesso não é algo exatamente normal. Mais difícil ainda é ver uma obra como essa chegar aos cinemas com um grande orçamento. Vamos lá, qual foi o último filme de ficção científica que você assistiu e tinha uma protagonista mulher no papel principal? Lá se vão nove anos desde que AEon Flux chegou aos cinemas e desde então pouquíssimas obras do gênero sequer passam no teste Bechdel.

Minority Report, Distrito 9, Exterminador, Watchmen, MIB – Homens de Preto, Aliens 3, X-Men, De volta para o Futuro… E tantos outros (elencados, por exemplo, nesse vídeo) não passam no teste. Isso significa que eles são filmes ruins? Claro que não, só que não passam nesse tal teste. Não sabe o que é teste Bechdel? A gente te explica. Para saber se um filme passa ou não nesse teste, a resposta as três perguntas seguintes tem que ser “sim”:

Há duas ou mais mulheres que tem nomes?

Elas conversam entre si?

Sobre alguma coisa que não seja um homem?

Agora pense no último filme que você assistiu no cinema. Ele passaria nesse teste? Provavelmente não. E quem foi que inventou esse tal de teste Bechdel? Sim, ele foi criado por uma mulher chamada Bechdel, Alison Bechdel. Em 1985, Alison, uma cartunista norte-americana, publicou uma tirinha chamada The Rule (“A regra” em tradução livre), como parte da série Dykes to Watch Out For. Na história, duas mulheres conversam sobre a possibilidade de irem ao cinema, e uma delas diz que tem essa “regra” de só ver um filme quando atende a esses três pré-requisitos básicos. E como filmes assim são bem mais raros do que deveriam, elas concluem que a melhor ideia é ir pra casa fazer pipoca.

Teste-Bechdel.redimensionado

Triste realidade, hein? Mas aí a gente para e pensa que se hoje, em pleno 2013 ainda é assim, em 1985 era pior, em 1965 também, e daí ladeira abaixo. Tente lembrar de algum filme produzido antes da década de 50 que passe no teste Bechdel. E nem precisa ser ficção científica, qualquer filme. Tarefa difícil.

Ladrões de Bicicleta, Casablanca, Cidadão Kane, O Céu pode esperar, Pacto de Sangue, A Felicidade não se compra, Milagre na Rua 34… Todos grandes filmes, nenhum passa no teste Bechdel. Até mesmo filmes clássicos com mulheres protagonistas como Gilda ou Quem tem medo de Virginia Wolf?, não conseguem dizer “sim” a essas três perguntinhas básicas. Já E o Vento Levou é um respiro de alívio ao vermos personagens como Scarlett conversando com muitas personagens femininas do longa sobre o seu futuro e o futuro de Tara, sua terra.

Mas aí a gente para e pensa: se filmes como E O Vento Levou e Jogos Vorazes fazem tanto sucesso (leia-se: dinheiro) dando mais espaço às mulheres. O que leva o cinema (ou melhor seria dizer, o cinema de Hollywood) a continuar apostando em tramas que subjugam o papel da mulher na sociedade? Simples. É mais fácil, e, consequentemente, mais barato. Se filmes que tratam as mulheres como coadjuvantes dos homens fazem sucesso, se a fórmula desses filmes já é tão facilmente replicada, o que faria a indústria mudar? Também simples: o público.

Então daqui a uns dias, quando você estiver no cinema assistindo o terceiro capítulo da saga cinematográfica, lembre que, naquela história, existem coisas muito mais importantes do que torcer por Peeta ou Gale.

________________________

Texto originalmente publicado aqui, escrito por mim para o blog da CDLJ.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Advertising

Experience

Mídia Online – Morya Comunicação Omnicom Group
Jan 2018 – Present
I currently work as a Digital Media Specialist at Morya Brazil | ABC/Omnicom Group. In my day by day activities, not only I manage expressive online campaigns but also help building bridges between agency and digital vehicles. Core responsibilities include:

– Creating and managing Facebook Ads, Instagram Ads and Google Ads advertising campaigns.

– Pitching new ideas and possibilities to the Creation and Content teams, aiming to work with niche paid ads as Waze and Spotify.

– Delivering monthly reports, focused on growth, ROI and campaign analysis, comparing meaningful results.

– Working closely with media planning and management tools such as TGI, Hootsuite and MavSocial.

By working remotely in Toronto, I can continue with my job duties while I’m able to bring new trends for Brazil’s advertising campaigns and social media strategies.

Centro Universitário Jorge Amado – Teacher
Aug 2017 – Jul 2018
Worked part-time as a postgrad professor in the Social Media program, teaching the course Digital Marketing Principles.

Gerente de Projetos Digitais – Rocha Comunicação
Aug 2016 – Jan 2018
Worked as head of digital in a traditional agency, planning and managing campaigns, strategizing and buying media throughout brand management.

– Created and developed the digital strategy across all digital platforms, analyzing the scenario and foreseeing new possibilities.

– Planned content, approaches, and actions, focused on a better understanding of buyer personas to make the right choices in all main social media, such as Facebook, Instagram, Twitter, YouTube, Spotify and LinkedIn.

– Managed a digital staff of professionals, working directly with social media, content creation, data science and web design.

– Researched activity about consolidated and new digital influencers, recruiting and evaluating the best assets for digital strategies.

– Experienced a day by day practice with digital marketing tools such as Sprout Social, Stilingue, Facebook’s Power Editor, Twitter Native Platform, Feedly, Hootsuite, Google Analytics, Google Keyword Planner, Evernote, and Slack.

Professora de Pós-Graduação – Faculdade da Cidade do Salvador
Oct 012 – Aug 2016
Worked part-time as a postgrad professor in the Strategic Marketing and Communication program, teaching the courses:

– Communication and Strategic Marketing in Social Media
– Metrics and Monitoring in Social Media

Coordenadora do Núcleo Web – Yayá Comunicação Integrada
Apr 2012 – Aug 2016
Responsible for managing a four-person team and coordinating all digital marketing initiatives for the agency.

– Developed and managed online marketing campaigns through strategic planning.

– Delivered social media monitoring and growth data reports, with monthly ROIs.

– Developed annual marketing plans and manage budgets for digital campaigns.

– Helped to integrate all the agency departments with the newly founded digital one.

– Leaded team members to manage the social media advertising planning for more than 25 social media accounts.

– Managed all digital projects, strategies, and content for social media, blogs, websites and paid media campaigns for 8 clients.

– Created CRM strategies, directly helping brands to target the right audience.

– Worked with social media management and analysis tools and platforms, including but not limited to MailChimp, Trello, Asana, Seekr, SCUP, Publiway, Runrun.it and SYS

 

Projects

As Melhores Coisas de Salvador
Link: http://asmelhorescoisasdesalvador.com.br
Project focused on creating content about Salvador’s culture, gastronomy and leisure options. In less than a year, the project has already accumulated more than ten thousand followers in social media, also presenting:

– Great results with important key words on Google searches.

– Considerable reach of target audiences.

– A huge sense of community and willingness among followers.

Apaixonados por Séries
Link: http://apaixonadosporseries.com.br
Launched the website about TV shows in 2009 and have been blogging and managing it since then. The project achieved a strong, visible social media and online presence, with more than 30 million pageviews, 8 million readers and thousands of followers in Facebook, Instagram and Twitter.

– Lead 20 team members to write and post different and unique articles for the website.

– Create content for the website in the WordPress platform, always prioritizing quality writing combined with SEO techniques.

– Work with Google Analyst, Twitter, Instagram and Facebook Insights.

– Achieve more than 700 thousand page views monthly.

Projects

As Melhores Coisas de Salvador
Link: http://asmelhorescoisasdesalvador.com.br
Project focused on creating content about Salvador’s culture, gastronomy and leisure options. In less than a year, the project has already accumulated more than ten thousand followers in social media, also presenting:

– Great results with important key words on Google searches.

– Considerable reach of target audiences.

– A huge sense of community and willingness among followers.

Apaixonados por Séries
Link: http://apaixonadosporseries.com.br
Launched the website about TV shows in 2009 and have been blogging and managing it since then. The project achieved a strong, visible social media and online presence, with more than 30 million pageviews, 8 million readers and thousands of followers in Facebook, Instagram and Twitter.

– Lead 20 team members to write and post different and unique articles for the website.

– Create content for the website in the WordPress platform, always prioritizing quality writing combined with SEO techniques.

– Work with Google Analyst, Twitter, Instagram and Facebook Insights.

– Achieve more than 700 thousand page views monthly.
.